Terapêuticas

Não existe uma cura definitiva para a psoríase, mas sim um conjunto variado de tratamentos, cujo uso isolado ou conjugado permite controlar os sintomas na maioria dos casos. Cada doente tem a sua especificidade, pelo que estas terapêuticas devem ser usadas criteriosamente, de acordo com as indicações adequadas para cada caso e respetiva fase de evolução, e com respeito pelas regras de segurança, para evitar eventuais efeitos secundários ou agravamento da própria doença.

De referir que a psoríase continua a ser uma doença que está subvalorizada, subdiagnosticada e subtratada. É, pois, necessário rastrear melhor e tratar a doença de forma pró-ativa e mais precocemente.

No entanto, existem já estratégias terapêuticas que atuam em níveis mais precoces do processo imunológico inflamatório que depois culmina na desregulação das células da pele dando origem à psoríase. A evolução tem sido muito grande, e basta recordar que os primeiros tratamentos eram tópicos e combatiam apenas a inflamação das células da pele que descamavam em excesso. Atualmente, estamos a atuar a níveis cada vez mais precoces e precisos, na esperança de um dia conseguirmos atuar nos próprios genes que estão alterados.

TOPO